Ir para o conteúdo
Início
/
Cidadão
/
Mais Saúde

Liga dos Amigos/Voluntariado

Colabore Connosco: Liga dos Amigos/Voluntariado

Fundação: 15 de Maio de 1996 por escritura da mesma data
Presidente: Carlos Manuel Rosa Almeida, Doutor

Localização – Piso 2

Horário – 2ª a 6ªfeira das 09h às 12.30h e das 14h às 17.30h

A Liga é uma Associação de direito privado, sem fins lucrativos, a política é alheia a qualquer credo religioso, cujos objetivos são a implementação da solidariedade e ajuda aos doentes, promovendo a colaboração da Comunidade e suas Instituições, no seu bem estar, nível de saúde e promoção cultural, colaborando activamente com os Órgãos de Gestão e Conselho de Administração da ULSCB.

A Liga tem um Serviço de Voluntariado, que exerce as suas funções junto dos doentes do Hospital.

Plano e Actividades e Orçamento

Os voluntários têm:
Horários a cumprir com pontualidade e assiduidade
Livro de ponto a assinar
Marcar presença nas reuniões
Deveres a respeitar
Acatar a orientação da coordenadora
Respeitar o limite da área que lhe for atribuída
Dependem directamente do Conselho de Administração do Hospital ou da Liga dos Amigos do Hospital.

Quem pode ser voluntário(a)
Qualquer pessoa pode candidatar-se a integrar o voluntariado hospitalar, mediante condições básicas:
Ter pelo menos 18 anos
Sentir amor pelo próximo
Reconhecida idoneidade moral e humana para esta missão
Tempo flexível de modo a poder estar neste serviço, no mínimo 2 a 3 horas semanais
Ter saúde física para o trabalho que se dispõe a realizar
Revelar estabilidade emocional
Facilidade de comunicação
Adaptação ao trabalho de equipa
Ser calmo(a) e agradável
Não comentar dentro do Hospital nem divulgar fora dele o funcionamento dos serviços, tendo sempre o segredo profissional que, em tudo, lhe é exigido.

Como pode ser voluntário(a):
Inscreve-se no gabinete do voluntariado, situado no 2 º piso do Hospital Amato Lusitano
Passa por uma entrevista
Faz um pequeno curso de 2 dias para formação genérica (Princípios básicos)
Tem um estágio de 3 meses
Faz o seu compromisso e passa a efectiva.

Por Belarmina Pires Gil…


O que é “ser Voluntário”?

Fui ao dicionário procurar uma resposta que me satisfizesse…e…O dicionário disse-me: Voluntário – O que se faz por um acto de vontade…
Não me satisfez totalmente, pois, achei-a incompleta…
Fui então ao mais íntimo do meu ser e, de lá, tirei esta resposta:
Ser Voluntário é:
– Estar disposto a dar-se, gratuitamente, à gente que precisa de gente…
– Dar o seu tempo disponível
– Dar o seu carinho ao doente que precisa, ouvindo-o, ajudando-o no que ele mais necessitar…
– Dar-lhe o seu contacto humano, tocando-lhe, sorrindo-lhe…
– Dar-lhe a mão…
– Respeitar a sua dignidade…
É…
– Estar ali presente, preenchendo momentos de angústia…
Só o doente, que está numa situação de fragilidade sabe apreciar o valor da presença de alguém que lhe possa dar um pouco de calor e carinho.
Não é preciso muito, basta um simples olhar, um pequeno gesto, uma palavra, um sorriso…para aliviar algum do sofrimento que preenche o seu coração e dos seus familiares.
O Voluntário tenta, com carinho e dedicação aliados aos valores da pessoa humana, corresponder e estar atento às necessidades dos doentes.
Mas… infelizmente, nem sempre se consegue atingir os objectivos a que se propõe…mas… mesmo assim, o Voluntário enriquece-se dia a dia, com o propósito de contribuir para que o Corpo do Voluntariado a que pertence seja mais forte e digno dos valores humanos que representa.
Já alguma vez foi Voluntário?
Se ainda não foi, vou dar-lhe uma sugestão:
– Quando à noite reclinar a sua cabeça na almofada confortável e macia do seu leito, e fizer o “balanço” do seu dia, pergunte-se a si próprio:
– ” Que fiz, hoje, pelos outros?”
Para não se sentir inútil, reflicta bem na sua resposta…
Pense na Alegria e Bem-estar que receberá quando se souber dar aos outros…
E…Agora….
Quer ser Voluntário?
Então junte-se a nós…
Venha visitar-nos ao Hospital Amato Lusitano. Dirija-se ao Gabinete do Voluntariado….
Esperamos por si…
E conhecerá mais uma forma de AMAR, começando por si!…

Por Belarmina Pires Gil…


Partilhar:
Ir para o topo